Um minuto

O equivalente, em película, a um minuto de filme: era este o material que os aspirantes a cineastas, estudantes de audiovisual, recebiam.

O trabalho era fazer caber, em um só minuto, ideia, roteiro, enredo, cena, personagem, poesia, narrativa, devaneio: o que quer que fosse.

A limitação técnica apresentava-se ao exercício criativo de modo determinante. Exigia esforços prévios, arquiteturais, projetivos. Desenhava-se.

Filmar ainda se assemelha a subir ao palco, a pôr em cena a vida, os corpos, a respiração.

Enceno a lembrança do minuto de película a fim de movimentar o foco rumo ao tempo de preparo, à gestação da arte, à memória dos instrumentos de ofício.

Quem, por exemplo, inventa jogos de caça às borboletas não ignora a travessia dos artífices.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s